PEC das Domésticas: Modelo de contrato

Advogado cria modelo de contrato para empregadas

O advogado trabalhista e professor de Direito do Processo do Trabalho da FGV e Facha, Luciano Viveiros, preparou um modelo de contrato para ser usado com empregadas domésticas, de acordo com as novas normas. Na última terça-feira (26/3) o Senado aprovou, em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição que estende aos empregados domésticos todos os direitos dos demais trabalhadores regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho. Foram 66 votos favoráveis e nenhum contrário. As informações são do jornal O Globo.

A PEC das Domésticas, como ficou conhecida a proposta, garante a essas trabalhadoras o direito a ter recolhido o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e a receber indenização em caso de demissão sem justa causa — entre outras garantias trabalhistas. A indenização, no entanto, deverá ser regulamentada posteriormente por projeto de lei complementar.

Os empregados que trabalham em domicílios, como é o caso de faxineiras, jardineiros, cozinheiras e babás, também passam a ter a jornada máxima de trabalho estabelecida em oito horas diárias e 44 horas semanais. Em caso de o serviço se prolongar para além desse período, eles também passam a ter direito ao pagamento de horas extras de 50% a mais que o valor da hora normal e adicional noturno de 20%, no caso de o trabalho ocorrer após as 22h.

Veja abaixo o modelo de contrato para empregada doméstica:

CONTRATO DE TRABALHO DOMÉSTICO

CLÁUSULA I: Fulana, brasileira, casada, empregada doméstica, residente à Rua X, nº tal, RG nº X, CPF nº Y, por diante designada EMPREGADA, obriga-se a prestar serviços e atividades de natureza doméstica no âmbito residencial e familiar para CICLANA, brasileira, solteira, profissão tal, domiciliada no endereço tal, RG nº X , CPF nº Y, mediante a remuneração de R$ 802,53 (oitocentos e dois reais e cinquenta e três centavos) mensais paga até o 5º (quinto) dia útil do mês.

CLAÚSULA II:
 A prestação do serviço será efetivada de segunda a sexta, no horário das 8h às 17h com intervalo de uma hora para almoço. Para que seja respeitada a jornada de 44h semanais, a EMPREGADORA poderá exigir que a referida compensação seja efetivada com ajuste de mais uma hora acrescida da jornada diária sem prejuízo das horas extras que porventura sejam necessárias.

OU CLÁUSULA II: A prestação do serviço será efetivada de segunda a sexta, no horário de 7 às 17h com intervalo de duas horas para almoço. Para que seja respeitada a jornada de 44h semanais a EMPREGADORA poderá exigir que a referida compensação seja efetivada com ajuste de mais uma hora acrescida da jornada diária sem prejuízo das horas extras que porventura sejam necessárias

Parágrafo único: O controle da jornada será realizado através de livro de ponto próprio de acesso comum às partes, subscrito pela EMPREGADA com a ciência da EMPREGADORA, bem como em registro nas ANOTAÇÕES GERAIS da CTPS da EMPREGADA.

CLÁUSULA III: O presente Contrato terá a vigência de 45 dias, podendo ser renovado por mais 45 dias, respeitado o prazo de 90 dias e dentro do período de experiência. Se for do interesse das partes poderá ser renovado, automaticamente, e passará a vigorar a prazo indeterminado.

CLÁUSULA IV: 
E por estarem de pleno acordo com as cláusulas acima, as partes firmam o presente termo em duas vias, sendo que uma via ficará em poder da EMPREGADORA e outra com a EMPREGADA.

Com informações da revista Consultor Jurídico

Este post 2 Comentários

  1. Maria Lucia Costa disse:

    Seria útil a orientação sobre o registro da compensação das 4 horas de sábado numa carteira de trabalho onde está anotado 5 dias na semana.
    Na clausula II, não seria o caso de 48 minutos (não 1hora) a mais de segunda a sexta, para compensar as 4 horas de sábado?
    Caberia no contrato prever compensação para a empregada que não gasta 1 hora para o café da manhã e o almoço?

  2. Com relação à Cláusula II ; jornada de 44 horas semanais : Me parece que fica a critério da empregadora estabelecer quantas horas serão trabalhadas desde que não excedam as 44 h. A jornada limita a carga máxima e não que a empregada que trabalhe por exemplo 40 h, deva compensar a diferença das 44 h.
    Ana Afonso
    Consultora de Organização Pessoal

Deixe uma resposta


URGENTE, SENHORES OFICIAIS DA CAPITAL E INTERIOR

A Direção do SINDOJUS-PA informa aos Senhores Oficiais de Justiça que na declaração de residência que deverá ser apresentada para cadastro do certificado digital deve, obrigatoriamente, constar o CEP; Aqueles que residirem em condomínio ou residencial não devem informá-lo, devendo informar apenas o nome da Rua ou Avenida e o número do condomínio, mais bloco (usar apenas ‘BL”) e apartamento ( usar apenas “apto”). Reforçamos a necessidade de que a cópia da identidade que for apresentada deve ser nítida permitindo boa visibilidade dos dados informados na cópia. Informamos que a Caixa Econômica, sequer recebe os documentos caso haja uma inconformidade com o que eles exigem, e por essa razão hoje extornaram para nós 52% dos documentos de um lote que enviamos na quinta-feira. Se possível tirem cópia colorida do documento de identidade que fornecerão. Reforçamos também pedido para que os colegas se antecipem e agilizem na entrega CORRETA da documentação, pois o interesse maior é nosso em receber o ressarcimento por ato. Gratos.